quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Livros - Uma mente brilhante (DL 2011)

Desafio literário 2011 - mês de fevereiro - Livro 1



O tema do mês de fevereiro do Desafio Literário 2011 é biografias e/ou memórias. Confesso que quando vi o tema não fiquei muito animada, pois nunca fui muito fã de biografias, mas como já havia decidido encarar o desafio de qualquer forma, aceitei o tema e procurei os títulos mais interessantes para ler. 

Há algum tempo, eu comprei a edição de bolso da obra Uma mente brilhante, de Sylvia Nasar, que relata a vida de John Forbes Nash Jr., matemático brilhante e esquizofrênico, um dos vencedores do Prêmio Nobel de economia em 1994. Comprei o livro pois sempre tive curiosidade em lê-lo, confesso que por causa do filme vencedor do Oscar de 2001, do mesmo nome, estrelado por Russell Crowe e dirigido por Ron Howard.

Para mim, foi a oportunidade perfeita de finalmente ler o livro e acabei escolhendo-o como o meu primeiro livro do mês de fevereiro.

De início, já vou logo dizendo que foi uma leitura bastante difícil e que, em vários momentos, eu quase larguei o livro pela metade, apesar de ter lido muito rápido. O fato de eu tê-lo lido em apenas 7 dias foi porque me obriguei a lê-lo. Sempre que eu queria parar de ler e ir fazer outra coisa, me obrigava a ler um ou dois capítulos a mais, antes de deixar o livro de lado.

Não estou dizendo com isso que o livro é ruim, mas é que eu tenho dificuldades de me concentrar quando estou lendo biografias e essa em particular foi mais difícil ainda, pois tinha momentos que parecia mais um tratado sobre matemática avançada. Mas consegui extrair muitas coisas relevantes da leitura...

A vida de Nash é muito bem retratada na obra, desde a sua infância. Vários aspectos da personalidade dele são revelados, bem como detalhes da sua esquizofrenia. O matemático sempre foi brilhante e extremamente competitivo.  Ele tinha seus próprios métodos para solucionar problemas. "Nash adquiriu seu conhecimento de matemática não apenas estudando o que os outros matemáticos haviam descoberto, mas redescobrindo por si próprio as verdades dos outros."

Só que o brilhantismo de Nash foi destruído pela sua doença. "Provavelmente havia uma predisposição inerente para a esquizofrenia no exótico estilo de pensamento de Nash como matemático, mas a doença em seu grau mais avançado devastou sua capacidade para o trabalho criativo. Seus insights, antes inspirados, tornaram-se cada vez mais obscuros, contraditórios e repletos de significados puramente particulares, acessíveis apenas a ele próprio. Sua convicção permanente de que o universo era racional evoluiu para uma caricatura, transformando-se numa crença inarredável de que tudo tinha significado, tudo tinha uma razão, nada era aleatório ou coincidência."


Um gênio destruído por uma doença, várias vezes internado à força, que se considerava um cidadão do mundo,  retratado em uma obra com uma narrativa boa, porém cansativa e muito extensa.

Nota: 3

6 comentários:

Vivi disse...

Ah, que pena que a leitura tenha percorrido um trajeto difícil, mas acho que também na parte que diz respeito ao "tratado de matemática avançada", eu me entediaria facilmente. Bela resenha!

Beijocas

Roberta Costa disse...

nunca consigo ver o filme e me interessei muito em ler o livro

Aline M. Gomes disse...

Nossa!!! Eu achei o filme MUITO bom!!! Mas pelo que vc falou do livro, será que um dia consigo ler???
Eu e matemática temos um relacionamento complicado kkkkkkkkkkkk

Resenha ótima e sincera!!!

disse...

Vi o filme, mas não li o livro. Me parece ser interessante a forma como foi contada a história. Embora não curta matemática. Mas, isso é apenas um detalhe, diante da oportunidade de conhecer a história de vida de Nash.
É uma pena que a leitura tenha sido para você difícil, mas ainda bem que tenha conseguido analisar os aspectos positivos do desafio do mês.

Parabéns.

Abs, Rê

Vivi disse...

Nossa me vi nos seus comentários sobre a luta para ler o livro, passei o mesmo lendo o último livro de janeiro para o DL (Eldest) e o que mais me entristesse é que é ainda tem o ultimo livro da saga para eu ler, é ruim ler livros empurrando com a barriga, mas alguns são um mal necessário rsss.
Adorei a resenha parabéns.

Mi Müller disse...

A leitura desta biografia não é mesmo de fácil percurso, a complexidade de Nash se reflete neste "arrastar" da leitura, e a torna por vezes enfadonha, mas como tu bem ressaltastes é uma obra de muita qualidade. Tua resenha está excelente.
estrelinhas coloridas...

Postar um comentário